sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A fome no mundo


INTRODUÇÃO
Com esta matéria "A fome no mundo" estamos dando início ao nosso estudo (pesquisas) sobre esse problema que afeta milhões de pessoas.
O texto a seguir fala um pouco sobre a fome no mundo, onde alguns comentários foram publicado pela revista Veja, para maiores explicações e entendimentos sobre o assunto a ser estudado e discutidos
A MATÉRIA
Fome. O que Veja publicou.
Em13 de novembro de 1974
“Reunidos em Roma desde a semana passada, em busca de uma arma comum contra a fome na Conferência Mundial de Alimentação, 1.000 representantes de 123 países ouviram relatos de que meio bilhão de pessoas – 1 em cada 8 habitantes da Terra – encontram-se agora em estado de inanição e que até o fim de 1974 o número de mortos de fome, este ano, chegará aos 5 milhões. Mais de dois terços dos 800 milhões de crianças que crescem hoje nos países em desenvolvimento estão condenados a padecer de doenças temporárias ou permanentes por motivos de desnutrição. E 75 milhões delas terão morrido de fome, ou de doenças relacionadas com a desnutrição, antes dos 5 anos de idade. Somados todos os estoques de comida do mundo, que desde 1960 oscilam de um máximo de 155 milhões de toneladas a um mínimo de 100, haveria alimentação suficiente, no momento, para apenas 26 dias. Com uma multidão incontrolável de novas bocas a alimentar (200.000 por dia, 73 milhões por ano), a população se multiplica no ritmo de 2,4% ao ano e, no entanto, há quinze anos o estoque de alimentos permanece o mesmo. Hoje, somente 11% da superfície do mundo é cultivada. Os EUA e o Canadá são literalmente o celeiro do mundo, numa proporção equivalente à que os países do Oriente Médio controlam em relação ao petróleo. A reserva de terras não cultivadas nos EUA é, igualmente, uma das principais fontes da estabilidade mundial em alimentos desde a II Guerra Mundial, quando o país começou a ultrapassar a América Latina como grande exportador de alimentos.”
O que aconteceu depois


Depois dos anos de 1970 até os dias de hoje, a situação com relação à fome,não mudou quase nada. Ela tem se concentrado mais na Ásia, África e na América Latina, porém, no setor de produção de alimento mudou bastante. Com a utilização dos alimento trangênicos foi possível um aumento nos estoques mundias. Contudo não foi possível suprir a fome. Hoje aproximadamente 854 milhões de pessos enfrentam a fome crônica.
No início dos anos 1980, a fome foi personificada nos rostos e olhares famélicos de Uganda. No país africano, cerca de 400 pessoas morriam diariamente por falta de comida; no continente, 10 milhões viviam na inanição, segundo estimativas feitas pela ONU em 1980. Entre os países mais afetados estavam Etiópia, Djibúti, Somália e Sudão. Mas foi a situação na Etiópia que motivou a gravação do disco beneficente We Are The World, em 1985, pelos 45 principais nomes do rock e da música pop americana de então. Para a canção, emprestaram suas vozes astros como Michael Jackson, Bob Dylan e Bette Midler. Passados exatos dez anos da publicação da reportagem de VEJA, a Etiópia trazia imagens do fracasso das previsões feitas naquela Conferência Mundial de Alimentação em Roma. Em 1984, cerca de 7 milhões de pessoas – 20% da população do país – estavam à beira da morte devido à fome. Por causa da seca, oito das treze regiões da Etiópia foram declaradas “áreas de desastre”, de acordo com dados do governo etíope em outubro daquele ano. Em Sidamo, antigo celeiro do país, 93% das crianças sofriam de inanição. A morte foi o destino de cerca de 1 milhão de etíopes por causa da fome.Em 1996, o foco da fome se mudou para a Ásia, mais especificamente na Coréia do Norte, onde as colheitas haviam sido dizimadas por dois anos de mau tempo e a economia afetada por quarenta anos de isolamento stalinista. Segundo a ONU, o racionamento de alimentos atingia 90% da população. As rações diárias distribuídas pelo governo caíram para 200 gramas, ou 600 calorias, menos do que os nazistas davam aos trabalhadores escravos nos campos de concentração.

Atualmente, dez milhões de pessoas morrem a cada ano por causa da fome, de acordo com o Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU. Isso representa mais de 25.000 mortes por dia no mundo. O órgão estima que 75% dessas pessoas vivam em áreas rurais, principalmente na Ásia e na África. Só no sul do continente asiático, são 524 milhões de vítimas da fome – mais do que as populações da Austrália e dos EUA somadas. A fome na infância é outra questão alarmante. Dados da FAO indicam que uma criança morre de fome a cada cinco segundos no mundo.
Acesse o link abaixo para ter acesso a mais informações sobre o assunto.
http://www.pime.org.br/mundoemissao/fomesolucao.htm

3 comentários:

edise disse...

acho que os alunos deveriam se preocupar com a fome, pois muitas pessoas morrem no mundo por falta de comida, e com esse texto as pessoas vão aprende a não estragar mais a comida.

franzikabrasil disse...

ola meu nome é Franciele entrei nesse site pra mostrar a todos que nós alunos,professores enfim deveriamos se importar um pouquinho mais com a fome no mundo, como podemos ver em Santa Catarina pessoas precisando urgente de nossa ajuda e outras pessoas que tem comida ficam jogando fora enquanto outras morrem de fome...
até mais

Eduardo P. Flores disse...

Realmente é trnastornante a situação. Por isso descruzamos os
braços aqui em SC e colocamos a ONG PRÓ-VIDA para amenizar isso.
Informar essa realidade é um dever e vc tm cumprido ele. Parabéns.